Buscar
  • AC Israel Brasil

Restaurando a Judaicidade de Jesus. Redescobrindo Nosso Senhor Hebraico

Atualizado: Jun 4

“As areias do tempo ocultaram muitos tesouros terrestres, mas nenhum tão valorizado e de suma importância, como a descoberta da negligência encoberta e da irrelevante falta de importância, pela Igreja, do judaísmo de Jesus para nossa fé.” -Sharon Sanders-


Entre as dunas de areia da história, formadas por forças de poderosos ventos doutrinários, está uma marca que o Messias de Israel deixou no mundo. A verdade exige a redescoberta de Suas raízes, e a história de Sua vida terrena que deve ser devolvida ao mundo para lembrar dele por quem Ele era e sempre será: um judeu!


É responsabilidade daqueles que O veem nas escrituras como Ele é, compartilhar a centralidade de Sua conexão com Israel durante a “restauração de todas as coisas”. (Atos 3:21) O verdadeiro Jesus trará à luz Sua verdadeira identidade quando voltar para o Seu povo. O que eu quero dizer? Qualquer pessoa pode alterar o nome de um homem, mas não a certidão de nascimento. Em quase todas as nações, quando uma criança nasce, elas são registradas quanto à sua nacionalidade. O diário de recenseamento (também há muito tempo enterrado nas areias do tempo) teria registrado a hora e a data do nascimento de Jesus. A verdade sobre Yeshua (Jesus) e Sua judaicidade, não é irrelevante ou sem importância, conforme retratada pela Igreja ao longo dos séculos. Caiar a sua origem étnica não é nada menos que um engano que manchou a credibilidade do cristianismo no mundo judaico.


A história cristã encobriu Jesus de Seu próprio povo. Os primeiros retratos camuflaram Sua natureza humana e aparência. “O retrato mais antigo conhecido de Jesus foi encontrado na Síria e datado de cerca de 235. Ele já estava sendo retratado como um homem sem barba, no estilo de um filósofo, com cabelos cortados e vestindo, como o papa, uma túnica e um pallium” (capa ou manto eclesiástico papal romano, do tipo colarinho que cobre o ombro - Wikipedia.org). Sua verdadeira vestimenta deve ter sido uma túnica sem costura, semelhante às roupas usadas por um sumo sacerdote na antiga Israel.


Os cristãos precisam internalizar que Jesus é um judeu. Nada jamais mudará essa verdade! Se o encobrimento foi uma tentativa real de enterrar a verdade, ou apenas uma ignorância embaraçosa, as evidências foram escondidas de milhões, enterradas como em uma tumba, coberta de areia. Retratada pela Igreja histórica como insignificante, hoje, a judaicidade de Jesus é "difícil de ser entendida" em alguns círculos.


Um ponto irrelevante?


Não há dúvida de que os pais da Igreja anti-semita, suprimiram o que eles consideravam um ponto irrelevante na fé cristã. Eles conseguiram causar um erro monumental, como resultado de um julgamento errado. Foi a cristandade que se separou da fé materna, o que provocou uma separação dos caminhos entre o judaísmo e o cristianismo, resultando em um enfraquecimento do papel do Senhor como o Messias e Salvador Judaico do mundo. "Os cristãos se posicionam entre Cristo e os judeus, escondendo deles a verdadeira imagem do Salvador" (Nikolai Berdyaev). A triste história cristã da imagem de Jesus distorcida nos registros do tempo, mostra que a lista de qualificações que deveriam ter sido enfatizadas para provar que Jesus era o Messias judeu, conforme profetizado nas Escrituras Judaicas, não era importante para os pais da Igreja ou foi considerado um ponto irrelevante.


Como isso aconteceu quando as Escrituras mostram claramente que Jesus nasceu em um mundo judaico? (Mateus 1: 1-25). Após a morte dos primeiros discípulos, que eram judeus, Jesus começou a ser visto pelos gentios como um Deus gentio, com cabelos loiros e olhos azuis. Seu círculo próximo de judeus não estava mais na terra, e a natureza humana de Yeshua foi rapidamente abafada e acabou sendo coberta com o tempo. Assim, a representação de um "novo" Jesus com pouca ou nenhuma conexão com os judeus foi apresentada ao mundo.


O cristianismo precisa ser lembrado de que foi um mundo judaico que gerou, ressuscitou e honrou a Jesus, com multidões seguindo-o quando ele estava na terra. Foi o povo judeu que colocou suas vestes no burro onde ele se assentou, significando que eles estavam aceitando Sua autoridade e se submetendo a ela. Foi o povo judeu que colocou galhos de palmeiras em uma procissão real e O acompanhou a Jerusalém - esses são pontos secundários também?


"Eu sou judeu!"


Me entristece muito o fato de que os gentios, a quem Deus abriu o caminho da salvação através de Jesus, em certa medida, deram um tapa na cara do povo judeu e disseram: “Vamos levar suas bênçãos, sua Bíblia e seu Jesus, mas não queremos vocês!" Observando à distância, o Jesus judeu se tornou Jesus o "homem de muitas faces". Em alguns lugares, Jesus é retratado como chines, ariano, africano e outras nacionalidades, quando somos lembrados várias vezes na Palavra de Deus sobre Sua judaicidade. (Mateus 1: 1; 9:27; Romanos 1: 3; 2 Timóteo 2: 8; Revelação 5: 5; 22:16). No entanto, muitos cristãos que leem a Bíblia simplesmente não querem acreditar no que é dito e em choque ainda exclamam “Meu Jesus é judeu? Nunca!"


No dia de Natal de 2019, a Autoridade Palestina realizou uma festa de Natal em Birzeit, norte de Ramallah, durante o qual Jesus foi apresentado e elogiado como um combatente da guerrilha palestina” (Palestinian Television News, dezembro de 2019). Um escritor afirmou que "se Jesus estivesse vivo hoje, ele seria rotulado de colono judeu e barrado em Belém". Um legislador da Nova Zelândia declarou recentemente que a mãe de Jesus era uma "refugiada palestina". O arcebispo ortodoxo grego Atallah Hanna, há pouco tempo, deixou escapar que “Jesus nasceu na Palestina, não em Paris, Washington ou em qualquer outro lugar. Jesus era palestino”. Novamente, essas são tentativas de apagar qualquer conexão judaica com o povo judeu, o que favorece a causa do anti-semitismo.


É muito interessante que o filho de Benjamin Netanyahu, Yair, não hesitou em afirmar a judaicidade de Jesus, quando a ativista islâmica Linda Sarsour também iniciou uma tempestade no Twitter, alegando que “Jesus era um palestino de Nazaré e é descrito no Alcorão como sendo de pele marrom e cobre com cabelo de lã." Ela recebeu uma resposta afiada. O jovem Netanyahu twittou de volta, dizendo: “Você é estúpida? Na cruz acima da cabeça de Jesus estava o sinal 'INRI' - 'IESVS Nazarenvs Rex Ivdaeorvm', que em latim significa Jesus de Nazaré, Rei dos judeus!” Sim, “segundo a carne” (Romanos 1: 3) Jesus veio da tribo judaica de Judá.


Miriam, sua mãe era judia. Nascido sob a lei (Gálatas 4: 4), seu corpo foi marcado como o de todos os filhos, pais e maridos judeus, quando Ele foi circuncidado no oitavo dia (Romanos 15: 8). Ele falava hebraico e aramaico, ambas as línguas semíticas. Seus discípulos eram todos judeus. A Torá foi pregada nas sinagogas e Jesus se levantou para ler sobre si mesmo a partir dos pergaminhos. Ele ensinou a Torá toda a sua vida e "usou em suas vestes as franjas do judaísmo ordenadas pela lei". (Jacob Jocz, "O povo judeu e Jesus Cristo"). O judeu piedoso, Simeão, disse: "Agora meus olhos viram a tua salvação." (Lucas 2:30). Sei que estou argumentando a favor de algo que não é popular na Igreja hoje..., mas é hora de a verdade levantar a voz. Infelizmente, os ensinamentos tradicionais podem se tornar tão arraigados que muitos não pensam por si mesmos nem permitem que a Bíblia desafie suas suposições.


O privilégio divino dos reis é o direito de governar um reino. Jesus retornará à Terra para governar o Reino de Seu Pai a partir da capital eterna de Israel - Jerusalém. Devemos confrontar nosso pensamento para aceitá-Lo como Ele realmente é, pois Ele não estabelecerá uma igreja cristã mundial no Monte do Templo. Se alguns de nós resistirem à realidade, ela poderá se transformar em um laço de “outro Jesus”, sobre o qual todos são advertidos no Novo Testamento. (2 Coríntios 11: 4).


É interessante que vários rabinos proeminentes tenham declarado recentemente “… Jesus fortaleceu a Torá de Moisés majestosamente… e nenhum de nossos sábios falou mais enfaticamente sobre a imutabilidade da Torá”. (Declaração rabínica ortodoxa, dezembro de 2015). Jules Isaac, autor do convincente livro "Jesus e Israel", escreveu "não há nenhuma evidência de que Jesus tenha deixado seu povo". O Evangelho de Mateus apresenta Jesus como o Messias esperado de Israel. Como José foi vendido a gentios no Egito, chegou o dia de uma reunião com seus irmãos e familiares e assim será com Jesus. Neste período de “restauração de todas as coisas”, um grande interesse em Israel inclui estudar sobre Jesus. Os acadêmicos, artistas, escritores e estudiosos religiosos israelenses, estão prestando mais atenção e mostrando mais positividade do que nunca.


Como a identidade pessoal de José ficou escondida por um longo tempo, o mesmo aconteceu com Jesus. "Estamos testemunhando a destruição de 2.000 anos de rejeição judaica e animosidade em relação a Jesus, um milagre por qualquer estimativa." (David Lázaro, Israel Hoje). Pense em Seu retorno. Ele irá chegar em casa como um Messias não judeu, ou será o rei dos judeus e das nações? Eu acredito que todos naquele tempo verão o Jesus verdadeiro. "... e nós O veremos como Ele é." (1 João 3: 2, Bíblia Aramaica em Inglês Simples)


O Senhor está abrindo muitos olhos em todo o planeta para Jesus “... não como fundador da Igreja Cristã, o primeiro cristão ou o primeiro católico… na Grã-Bretanha Ele pode muito bem, embora inconscientemente, seja visto como o primeiro anglicano… certamente, muitas pessoas percebem Jesus como um clérigo inglês gentio e de olhos azuis ... a maior parte de nossa cultura cristã ocidental, molda Jesus em um molde não-judeu. Na medida em que isso é feito, os crentes falham em entender a Ele e aos Seus Ensinamentos ...” (Dwight Pryor).


“Se alguém tenta des-judaizar Jesus, transformando-o em algum tipo de ser humano para todos os fins, então perde-se o Jesus da história ... isso não quer dizer que a fé salvadora possa ser menos real, mas que nossa compreensão de Seus ensinamentos serão enfraquecidos ou distorcidos - e isso pode afetar nossa teologia ... e a maneira como o apresentamos ao mundo de hoje ... em conclusão, uma apreciação do judaísmo de Jesus ... é essencial se quisermos entender completamente suas reivindicações sobre ele mesmo, e o impacto total de Sua Mensagem. ” (Jill Levin)


Jesus considerou as Escrituras Judaicas (em forma de pergaminho na época) como Sua fonte de verdade, sempre centrada em torno do Deus de Israel. Ele recitou a proclamação judaica "Ouve o Israel". (Marcos 12: 28-30). O que os cristãos chamam de "Antigo" Testamento é o único oráculo autoritário do qual Jesus citou. Se a Igreja menospreza a fé judaica, eles estão realmente sendo condescendentes e arrogantes.


As Escrituras atestam Sua Identidade


Os gentios que acreditam em Jesus realmente se juntam (como Rute) à comunidade (ou à nação) de Israel. Eles não os substituem. "Há um corpo ... um Senhor, uma fé ...". (Efésios 4: 4-5) Pela fé nEle, os gentios não são mais estrangeiros no Reino (Comunidade) ou estranhos no (s) Pacto (s). (Efésios 2:12). Sendo enxertados na oliveira cultivada de Israel, cujo cultivo veio do aprendizado da Torá, nos reconectamos ao "elo perdido" em nossa fé e fortalecemos nossa fé em Jesus.


Yeshua não se tornou um gentio ao traduzir Seu Nome para Jesus. Alguns dos discípulos tinham nomes gregos, mas permaneceram judeus. Pat Robertson, fundador da Christian Broadcasting Network, recentemente proclamou na televisão "Meu chefe é judeu!" Jan Markell, do Olive Tree Ministries, observou que "o plano de Deus para a restauração de Israel é o tema mais mencionado na Bíblia ... com essa restauração, não devemos transformar Jesus em nossa imagem".


Eu enfatizo mais uma vez, é possível mudar o nome de um homem, mas não sua etnia nem nacionalidade. A identificação de Jesus com seus irmãos era “nós judeus” (João 4:22). Seu desejo de trazer o Reino à Terra era uma grande parte de Sua Mensagem do Evangelho. Ele se virava e dizia aos Seus Seguidores: "Você não leu? ... Está escrito ... O que Moisés disse?" Ele era a Torá Viva e recebeu um enterro judeu, foi colocado em uma tumba judaica, fornecida por um membro judeu do Conselho (o Sinédrio) que era um crente secreto e não participou do julgamento.


O que aprendemos aqui? Precisamos refletir mais sobre Sua masculinidade. “Seus apóstolos e discípulos judeus conheceram Yeshua primeiro como homem, e somente mais tarde como o Salvador ressuscitado, o “Filho do Deus vivo”. (Dwight Pryor) As Escrituras garantem sua identidade. Os sábios de Israel legaram a Ele um rico legado de aprendizado, iluminaram a Torá, os Profetas e os Escritos ... Ele era a Torá Encarnada ... Ele é nosso Rabino e Senhor, além de Salvador.


Amando-o por quem Ele é


À medida que crescemos no Imitatio Dei, em latim, por imitar o caráter e as ações de Deus, e à medida que somos transformados em Sua imagem e semelhança (não Ele à nossa semelhança), também cresceremos em Seu conhecimento e graça. O verdadeiro Jesus permanecerá? A história cristã está ancorada na pessoa de Jesus Cristo; no entanto, Jules Isaac diz que "o Cristo da Igreja ... muitas vezes não tem nada em comum com o grande nazareno". Jesus discordou da maneira como as autoridades religiosas acrescentaram às Palavras de Deus dadas no Monte Sinai, mas Sua educação judaica se refletiu na lavagem das mãos, pagando o shekel e fielmente observando os Mandamentos de Deus. Ele permaneceu judeu até o último suspiro. Sim, verdadeiramente a inclusão dos gentios na Comunidade de Israel é uma coisa, mas a inclusão dos gentios às custas dos judeus é outra.


Sem dúvida, o Salão da Vergonha da Igreja exibe um longo corredor de séculos de obstáculos que colocou diante do povo judeu no caminho para Sião (orgulho espiritual, arrogância, apatia, indiferença, ódio) para citar alguns. Uma caminhada por esses corredores históricos, pode nos fazer estremecer, porque ex-líderes arrancaram as páginas anti-semitas de nossos livros de história, mas todo judeu conhece bem as transgressões cometidas contra eles.


Visualize por um momento, um Teólogo da substituição em pé nas portas do céu sendo recebido por vinte e quatro anciãos (com rostos judeus), tentando entrar nos portões celestes (com os nomes de doze tribos de Israel escritas acima deles). (Revelação 21:12) Imagine um professor de Teologia da substituição nos Portões do Céu e Pedro e Paulo usando um xale de oração judaico, percebendo Yeshua em seu judaísmo e ficando totalmente em choque pensando “Onde estou?” Que pensamento terrível. "A Igreja está sendo transportada de volta, além de Wittenberg e Genebra, Roma e Atenas, todo o caminho até Jerusalém, para recuperar os fundamentos de nossa fé." (Dwight Pryor, 2010)


De fato, as areias do tempo encobriram a verdade da nação de Jesus enterrada debaixo deles por séculos, mas a marca que o Messias Jesus deixou neste mundo exige que Ele seja devolvido ao mundo lembrando-o e conhecendo-o por quem Ele era, é e sempre será: um judeu!


Por Sharon Sanders

Extraído da revista “For Zion’s Sake” Second Quarter 2020. www.cfijerusalem.org

18 visualizações
SOBRE NÓS

Como cristãos, recebemos de Deus um amor por Israel e pelo povo judeu. Queremos abençoá-los em nome do Senhor.

LOCALIZAÇÃO

(19) 98327 - 6054

 

Rua Francisco Daniel Carnielli, 67 - Residencial Jequitibá Rosa.

Sta. Rita do Passa Quatro - SP
CEP 13670-000

 

acisraelbrasil@gmail.com

© 2020 por Amigos Cristãos de Israel