Buscar
  • AC Israel Brasil

José e seus irmão: a reunião final.

Atualizado: Jun 25

“Eu creio que a história está ... ligada à identidade. Se você não conhece sua história ... não conhece sua família - quem é você então?” (Mary Pipher)


Nossas raízes judaicas estão ligadas à história bíblica e é impossível nos separar de nossos fundamentos judaicos, porque estão ligados ao Messias judaico. Eu acrescentaria um pensamento à citação de Mary Pipher acima: Se a Igreja não conhece sua história, ela não conhece a família espiritual à qual pertence. Quem é ela então? A Igreja de hoje precisa de uma revelação sobre a família de seu noivo.


A história da Igreja, assim como a história sobre a qual vamos nos debruçar, fala de rejeição, traição e reconciliação. É um retrato perfeito de Yeshua e Seu povo, bem como da Igreja e Israel. Sente-se e examine cuidadosamente as belas imagens que foram desenhadas para nós, por uma caneta celestial conduzida pela Mão de Deus. Nenhuma outra história da Bíblia ilustra tão plenamente a vida e a obra do Messias, que traria salvação para aqueles que cressem. Ele passou pela humilhação como uma forma de ser exaltado; perdoou aqueles que pensavam ter se livrado dEle e veio em auxílio daqueles que estavam perecendo. A história da vida de José, que prefigura a vida de Yeshua não é de modo algum uma tipologia teológica comparável à teologia de substituição. Essa teoria da história cristã foi a mais influente na Idade Média e ainda é comum nas igrejas ortodoxas orientais. A ilustração atual (ou simbologia alegórica) é mais um retrato da semelhança de duas figuras bíblicas e não deve tirar das escrituras hebraicas o poder de Deus que estava ativo na vida de José ou Yeshua. A história de José é uma história verdadeira de salvação e deve ser vista como uma ilustração do futuro do mundo que havia sido profetizado. 


Estava chegando o momento em que a fome atingiria o Egito. Por ser uma área muito seca, havia pastagem suficiente para ovelhas, cabras e rebanhos de gado. Cuidar das ovelhas era uma tarefa importante para José, aos 17 anos. Mesmo sendo o primogênito de Raquel e o décimo primeiro filho de Israel, ele ainda era o caçula. Ele provavelmente sempre teve que ouvir de seus irmãos mais velhos o que ele tinha que fazer e como ele tinha que fazer. Desde o início, reconhecemos um relacionamento especial entre pai e filho. Jacó amou José mais do que seus outros filhos (Gênesis 37: 3). O Senhor Deus de Israel também falou sobre Yeshua: "Este é meu filho amado ..."(Mateus 3: 17). José trouxe um relatório crítico a seu pai sobre seus irmãos. Da mesma forma, Yeshua em várias discussões com seus irmãos trouxe diante deles a questão de seus pecados. As palavras de José e Yeshua provocaram fortes reações. 


Podemos imaginar que a “túnica colorida” dada a José, era um sinal para seus irmãos, de que Jacó pretendia passar por eles e fazer de José seu herdeiro. Isso provocou ciúmes em seus corações e eles decidiram matar José. Quem ele pensa que é? A família deveria se curvar a ele? Eles tiraram sua túnica (assim como tiraram a túnica de Jesus) e o odiaram. Jesus recebeu a mesma reação de pessoas religiosas ... "Eles me odeiam sem causa" (João 15: 25).

Sonhos proféticos


José foi abençoado com sonhos proféticos - sonhos que causavam ciúmes. Os egípcios da época atribuíam tanta importância aos sonhos que eles até tinham "manuais" para ajudá-los a interpretar os sonhos. Mas José preferiu confiar em seu Deus. Em Gênesis 37: 12 - 17, o pai de José o enviou a seus irmãos para observá-los enquanto eles cuidavam das ovelhas em Siquém. Yeshua também disse: "Fui enviado (por meu Pai) às ovelhas perdidas da casa de Israel" (Mateus 15: 24). 


Quando seus irmãos o viram entrando em Dotam, eles disseram "aí vem aquele sonhador" ... zombaram dele e conspiraram para matar seu irmão. Do mesmo modo, em Mateus 27: 41 - 42, os principais sacerdotes dos escribas e anciãos zombavam de Yeshua. Assim como Ruben se levantou para defender José (Gênesis 37: 21), Nicodemos veio defender Yeshua (João 7: 51). Os irmãos se reuniram para jogar José em uma grande cova, provavelmente uma cisterna seca. Então eles se sentaram para fazer sua refeição, mas certamente ainda podiam ouvir os gritos vindos da cisterna. Sabemos que foi Deus quem tirou José daquela cova. O Novo Testamento nos ensina que, no terceiro dia após a crucificação, Deus ressuscitou Jesus dos mortos e o tirou da sepultura (ou cova). O ódio por José tinha sido tão profundo que seus irmãos o traíram e o venderam aos gentios. A partir daquele momento, José não viveu mais em seu mundo judeu, mas entrou em um ambiente gentio. Jesus também foi traído e entregue a Pilatos, que o entregou ao governo romano.


Acho muito interessante o que diz no Midrash (comentário sobre as escrituras hebraicas), que a venda de José fazia parte do plano divino para salvar as tribos ... foi assim que eles chegaram ao Egito. Deus também tinha um plano divino para a vida de Yeshua, salvar muitas vidas, as quais discutiremos mais adiante na história. (Maimônides, um estudioso judeu, comenta que até o homem em Siquém, quando José perguntou sobre seus irmãos, era um "mensageiro divino" trabalhando nos bastidores.) 


Quando Jesus foi capturado e aprisionado, era o tempo da Páscoa, quando Israel se preparava para participar do Sêder de Páscoa. Judá sugeriu vender José por dinheiro e lembramos que Judas também entregou Jesus aos romanos por dinheiro. José foi vendido aos ismaelitas por 20 moedas de prata e Jesus por 30 moedas de prata. Em Gênesis 37: 32-35, nos é informado que os irmãos disseram que José estava morto. José permaneceria morto para seu povo até uma revelação posterior. Jesus foi considerado morto e separado de Seu povo por 2000 anos. Quando José desembarcou na casa de Potifar, um egípcio, ele assumiu uma aparência diferente. Ele se disfarçou, por assim dizer, e sua verdadeira identidade permaneceu oculta e velada a partir daquele momento. Ele aparece sem barba e vestido à moda egípcia, com uma corrente de ouro no pescoço, como recompensa por seus serviços. 

Lançado na prisão


Após o século I, mais precisamente a partir do final dos séculos II e III, Jesus foi descrito como o "rei dos gentios" e, no entanto, acima de Sua cruz estava escrito "Rei dos judeus". Ele foi retratado de uma maneira que o ajudou a disfarça-lo do seu próprio povo. Nas pinturas, ele era frequentemente retratado cercado por crucifixos metálicos, com olhos azuis e cabelos loiros, parecendo um deus gentio. Sua verdadeira identidade como judeu permaneceu oculta. Após 13 anos como escravo, José havia se tornado governador do Egito. Ele realizou muitas boas obras antes de ser preso; da mesma forma que Yeshua, antes de sua prisão fez muitas boas obras. Como a esposa de Potifar permitiu que o diabo a usasse para tentar a José, o diabo também tentou a Jesus, mas Jesus resistiu a ele em todos os aspectos. A esposa de Potifar fez uma falsa acusação contra José, alegando que ele tentou violentá-la, por isso José foi jogado na prisão. José não queria abusar da confiança de seu mestre, então ele resistiu à esposa. Seu pai, Jacó, havia lhe ensinado bem. É interessante que Potifar tenha enviado José para a cadeia, em vez de executá-lo no local. Um comentário explica que ela já havia acusado outros servos do mesmo ato imoral. Jesus também foi falsamente acusado e levado para um local de detenção antes de seu julgamento.


Em Gênesis 40: 1 - 22, podemos ler como José interpreta os sonhos do copeiro e do padeiro - o copeiro foi salvo da morte por José - mas esqueceu que esteve na prisão com José e o deixou lá. Da mesma forma, Simão Pedro negou Jesus três vezes e O deixou. 

Quando José se tornou o vizir do Egito, as pessoas "dobraram os joelhos" diante dele. Quando o rei Yeshua reinar, toda a terra também se curvará. Um outro ponto: José recebeu um novo nome no mundo gentio egípcio. Jesus também recebeu um novo nome. O nome verdadeiro que Deus havia lhe dado era Yeshua. Foi traduzido primeiro para o grego como "Iesous" e depois se tornou "Jesus" em inglês e português. Até certo ponto, o nome perdeu o significado original: SALVAÇÃO. (Mateus 1: 21). Claro que não há problema em chamá-lo de Jesus ... mas não tenha medo de chamá-lo pelo seu nome verdadeiro; é tão maravilhoso e significativo ... o poder por trás do nome é importante. 


José tornou-se um alto funcionário do governo; somente o Faraó estava acima dele (Gênesis 41: 41). Yeshua tinha 30 anos quando iniciou seu serviço público (Lucas 3: 23) e se tornou um rabino reconhecido. Em Gênesis 41: 50 - 52, José teve dois filhos, Manassés e Efraim. Mais tarde, tornaram-se meias tribos entre as 12 tribos. Jesus escolheu 12 apóstolos de acordo com o número de tribos de Israel (Mateus 10: 1 - 4).


Como José salvou muitos egípcios de passar fome por falta de pão, entre os milagres de Yeshua estava o relato dos 5.000 pães que alimentavam muitas pessoas. Gênesis 42: 8 diz: “E José reconheceu seus irmãos, mas eles não o reconheceram.” A identidade de Yeshua seria escondida de Israel, mas eles seriam conhecidos dEle, como está escrito em João 4: 19. De volta aos irmãos: a certa altura, falando sobre sua situação, eles pensaram que talvez Deus os estivesse punindo pelo que haviam feito a José, no entanto não o haviam reconhecido. Hoje em Israel, muitas pessoas estão escrevendo sobre Jesus de uma maneira ou de outra, enquanto procuram, mas na maioria das vezes não o reconheceram como o Messias Prometido.


Em Gênesis 42: 23 - 24, vemos uma reunião de família se formando. Sabemos que José chorou ao ouvir as conversas de seu irmão entre si. Em Lucas 19: 41 - 44, Yeshua chorou por Jerusalém e seus irmãos que não o conheciam. Gênesis 43: 1 - 7 revela que José disse a seus irmãos: "Você não verá meu rosto, a menos que seu irmão esteja com você." Ele acabaria reunindo todos os seus irmãos enquanto sua identidade ainda estava oculta. Hoje Deus está reunindo judeus de todo o mundo e muito mais virão em uma aliá maior. A revelação virá quando eles estiverem reunidos em grande número. Quando o pai idoso pediu a misericórdia de Deus na situação familiar que enfrentavam, José tornou-se um instrumento de misericórdia. Romanos 11: 32 diz: "Pois Deus sujeitou todos à desobediência, para exercer misericórdia para com todos.”


Gênesis 43: 15 - 16 conta como os irmãos apareceram diante de José pela segunda vez. Ele ordenou: "Leve estes homens à minha casa ... porque eles almoçarão comigo!" Antes de sofrer, Yeshua também se sentou com seus irmãos para a refeição da Páscoa (Lucas 22: 15). José deu comida a seus irmãos e sabemos que Yeshua disse: "Eu sou o pão da vida" ... ele alimenta Suas ovelhas (João 6: 35). Também lemos que os irmãos de José estavam com medo e entraram na casa dele com muito cuidado. Provavelmente se sentiam culpados pelo que haviam feito vinte anos antes. Uma cena semelhante é mostrada em Zacarias 12: 10 e 13:1. 

Ele chorou


Em Gênesis 43: 30 - 31, vemos os sentimentos profundamente intensos de José por seus irmãos, mas por trás das lágrimas ainda permanecia uma identidade oculta. Yeshua chorou por Jerusalém porque Seus irmãos (ou Seu povo) também não podiam ver quem Ele era. Os irmãos foram alimentados e partiram. José lhes deu suprimentos e, sem o conhecimento deles, devolveu o dinheiro. Em Gênesis 44: 13 - 34, os filhos de Israel rasgaram suas vestes porque temiam o pior. Foi a confissão comovente de Judá que finalmente quebrou o gelo e fez as lágrimas fluírem. José não pôde mais conter suas emoções e gritou alto. 


Chegará um momento no futuro próximo em que Yeshua não esperará mais, mas receberá o comando de Seu Pai para retornar, com um grito! É claro que os egípcios na casa de José o ouviram e provavelmente se entreolharam confusos... o que havia acontecido?  José mandou que se retirassem todos os não-judeus. Tenho certeza de que era por se tratar de um assunto de família, e José queria revelar sua verdadeira identidade a seus irmãos de maneira particular, provavelmente falando com eles pela primeira vez em hebraico. Quando Yeshua revelar Sua verdadeira identidade, acredito que o "Cristo" gentio desaparecerá e nós o "veremos como Ele é" ... o Messias judeu em pé diante de todos. Em Gênesis 45: 3, ele revelou sua identidade e fez uma pergunta: "Eu sou José, meu pai ainda vive?" Todos ficaram sem palavras! Eles provavelmente também ficaram sem fôlego e não conseguiram encontrar as palavras para responder rapidamente. Eles também não ficarão sem fôlego quando "olharem para mim" e lamentarem? (Zacarias 12: 10 - 11). 


No momento em que as tribos de Israel lamentarão (Zacarias 12), maridos e esposas não serão capazes de olhar nos olhos uns dos outros, ou falar, enquanto olham para o Messias. José pediu a seus irmãos que se aproximassem cada vez mais ... eles devem ter começado a chorar porque ele os chamou com ternura e disse: "não se culpem, foi tudo obra de Deus" para a salvação de muitas vidas. O véu foi finalmente levantado e, de repente, eles viram quem ele era! O paralelo aqui é claro, com o trabalho de Yeshua na cruz, inúmeras almas não judias foram salvas através do Evangelho e chegaram à Comunidade de Israel por meio dele (Efésios 2: 12). Esta é uma imagem clara de como o Senhor pode se revelar à família que tanto ama. 


Oh, como eles sentiram falta um do outro por tanto tempo. Lembro-me bem de quando minha irmã e eu estávamos separados por tantos anos e, pouco antes de ela morrer de câncer, há um ano atrás. Eu cheguei em sua porta, seus braços estavam abertos pra mim e choramos nos braços uma da outra. Fazia tanto tempo desde a última vez que estivemos juntas. Foi tão curativo para nós duas. 

A Revelação


Multidões haviam recebido Yeshua quando Ele andou na Terra antes de Sua crucificação ... e, embora tenha demorado tanto ... Ele está voltando. Quando José revelou seu segredo "a fama foi ouvida na casa do Faraó". Quando Yeshua chegar, o mundo inteiro saberá! José assegura a seus irmãos que tudo tinha sido o resultado do plano de Deus. Após séculos sendo rejeitado, Ele diz a seus irmãos para não se culparem. Eles disseram: "Como nós podemos ter falhado tanto?" Mas Ele os consola e os manda contar tudo ao seu pai. O abraço deles deve ter continuado por muito, muito tempo, agora que eles se encontraram novamente. Como já mencionado, de acordo com o profeta Zacarias, o arrependimento virá (quando Israel lamentar) na vinda do Messias, e a mesma alegria será encontrada em Israel com a revelação de seu irmão. Quando Israel (Jacó) ouviu as notícias, seu espírito foi revivido dentro dele - a vida retornou a ele. Paulo nos diz sobre o retorno de Israel e seu futuro relacionamento com o Messias, que será como "vida dentre os mortos" (Romanos 11: 15). José viveu até a idade de 110 anos e viu o nascimento de seus bisnetos. Antes de morrer, ele pediu a seus filhos que lhe prometessem que quando deixassem a terra do Egito, levariam seus ossos com eles de volta à terra de Israel. Da mesma forma, a Segunda Vinda de Yeshua o trará de volta ao país.

Meus olhos viram sua salvação


Finalmente, como Jacó disse a José, agora "... deixe-me morrer, porque eu vi seu rosto, porque você ainda está vivo ..." (Gênesis 46: 30) nos lembramos do querido Simeão, na época em que Yeshua foi levado ao templo pela primeira, vez por seus pais (Lucas 2: 28 - 32). Ele pegou o bebê nos braços e disse: "Senhor, deixe agora seu servo partir em paz de acordo com a sua palavra, pois meus olhos viram sua salvação (Yeshua)". Essa bela imagem foi dada como um prenúncio da maravilhosa revelação que virá à Terra de Israel.

Quando os 144.000 das doze tribos de Israel abraçarem essa revelação, as Escrituras serão ensinadas como nunca antes. Mesmo o maior evangelista gentio pode não ser capaz de acompanhar o que está por vir. Quando o povo judeu retornar de todas as nações, falando todas as línguas dos lugares de onde estarão voltando, eles serão capazes de ensinar as nações em muitas línguas e dialetos. As escrituras judaicas que profetizam a vinda do Messias serão abertas aos judeus e gentios como nunca antes, e esses 144.000 provavelmente irão suplantar os discípulos originais, que foram ao mundo inteiro pela primeira vez ensinando a justiça, assim como seu Mestre. No entanto, lembre-se, Israel não se tornará uma nação “cristã” e se unirá à “Igreja”, mas a revelação virá sobre a identidade de seu Messias, e eles serão enxertados em “sua própria oliveira” (Romanos 11: 24).

Sim, eu também, como Mary Pipher, acho que nossa história está ligada à identidade e, assim como a Igreja cometeu o ato injusto de lançar seus irmãos judeus em um poço de ódio, vangloriando-se contra eles e caindo no orgulho espiritual, o que não foi apenas um erro aos olhos de Deus, mas algo que deve ser revelado (para a Igreja), que também precisa ter seus olhos abertos. Se fazemos parte da noiva, não deveríamos conhecer a família do noivo? Se não o fizermos, pode ser que não o reconheçamos quando o vermos "como ele é". É bom fazer parte de uma história de amor que está se desenrolando e começando a ser entendida por Israel e pela Igreja. Lembremo-nos de que para todos, ainda há um tempo determinado para uma próxima reunião final.

Extraído da revista “For Zion’s Sake” Fourth Quarter 2013. www.cfijerusalem.org

38 visualizações
SOBRE NÓS

Como cristãos, recebemos de Deus um amor por Israel e pelo povo judeu. Queremos abençoá-los em nome do Senhor.

LOCALIZAÇÃO

(19) 98327 - 6054

 

Rua Francisco Daniel Carnielli, 67 - Residencial Jequitibá Rosa.

Sta. Rita do Passa Quatro - SP
CEP 13670-000

 

acisraelbrasil@gmail.com

© 2020 por Amigos Cristãos de Israel